Poesia Pagã

T.O.K

Compositor: Não Disponível

Sobre o anjo que caiu e não mais levantou
Eu tenho a certeza de que sou como ele
Já não mais vejo tua pele como a flor
Já sou o vinho tinto que se derramou
Sobre as palavras que embebedam sua religião
Saem de minha boca já as razões para o ódio
Cortando o fluxo sangüíneo que te banha
Enlameando o chão para onde procuro a escuridão

Sem saber que não existe mais razão

Fecham-se as cortinas do espetáculo
Os atores sem fantasias de carnaval

Sem saber que não existe mais coração

Gritem aos anjos - Se eles ouvirem
Cortem seus pulsos - Se desistirem
E alimente-me

Sobre as paredes de minha cela que desabou
Tento segura-las ainda acima de meus ombros
Já fui o cálice que "esbordou" de ódio
Já tive em meu poder a verdade que me desapontou

Sem saber que não existe mais hierarquização

Enquanto deus almoça no paraíso
As criaturas perdem seu juízo
E alimentam-me

"E nossos sonhos serão inférteis
E nossos sonhos serão inerteis."

E meu grito para o ar desistiu de ser tão alto
Sangrou sem poder voar com as assas de um incauto
Tristes foram então as verdades descobertas
O corpo morto no chão
Oceanos de figuras incertas

Percam-se nas fábulas, destruam o sacro e alimente-me

©2003- 2018 lyrics.com.br · Aviso Legal · Política de Privacidade · Fale Conosco desenvolvido por Studio Sol Comunicação Digital